fbpx

20 de agosto de 2022

Investigação de assalto a banco se volta ao Vale do Taquari


Por Redação Publicado 11/08/2019

Líder da quadrilha foi reconhecido durante o assalto. Seria um conhecido assaltante de banco, morador de Lajeado, que deveria estar em prisão domiciliar

O assalto a banco que amedrontou a cidade de Vale Verde (há 60km de Lajeado) na tarde de quinta-feira, dia 8, pode ter muito mais relação com Lajeado do que a distância das cidades. Isso porque o líder da quadrilha foi reconhecido durante o assalto. Conforme o delegado regional Luciano Menezes, ele é da cidade de Lajeado e por isso as investigações paralelas também percorrem o Vale do Taquari.

[wp_bannerize_pro_desktop]
[wp_bannerize_pro categories=”expoagas-desktop”]
[/wp_bannerize_pro_desktop]

[wp_bannerize_pro_mobile]
[wp_bannerize_pro categories=”expoagas-mobile”]
[/wp_bannerize_pro_mobile]

O suspeito, de 49 anos, cuja a polícia ainda não autorizou a divulgação do nome, tem diversas condenações por assalto a banco e no momento deveria estar em prisão domiciliar em Lajeado – uma progressão de pena concedida pela segunda vez, pelo estado de saúde que se encontra. Porém, buscas já foram feitas no endereço da prisão e ele não foi localizado.

Ele já passou por presídios de Porto Alegre, Novo Hamburgo, Charqueadas, Santa Rosa, Lajeado, Viamão, Caxias do Sul e Vacaria. Na última prisão domiciliar, em 2015, foi preso durante as buscas do assalto a banco em Imigrante (leia abaixo), e mesmo assim voltou a receber a progressão.

O homem é conhecido no estado pelo modu operandi usado nos crimes, chamado de cangaço, em que os criminosos tomam a cidade e fazem pessoas de refém com cordão humano. Exatamente como ocorreu em Vale Verde e em outros ataques que participou.

O cerco policial no local ainda está ativo e não tem previsão de finalizar. Os criminosos fugiram para a mata e ainda estariam no local, segundo a polícia.

Prende e solta do suspeito

Dentre a lista de assaltos que o homem está envolvido, está o de Imigrante há quatro anos. Na ocasião, ele já somava mais de 43 anos de condenações e estava em prisão domiciliar há pouco mais de um mês em razão de estar debilitado por um câncer. E esse pouco tempo foi o suficiente para que ele retornasse ao crime.

Neste mesmo ano, ele foi indiciado também como líder do assalto ao Banco do Brasil de Campestre da Serra.

Lembre do assalto em Vale Verde clique no link abaixo
Quadrilha assalta agência e faz 15 pessoas de reféns

BM da região participa de buscas por quadrilha que atacou banco

Redação / redacao@agoranovale.com.br