fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Sicredi Agora no Vale 728x90px

Vendedores ambulantes querem camelódromo em Lajeado


Por Redação / Agora no Vale Publicado 18/05/2019
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Institucional-WhatsappDESKTOP

Se estima que existam cerca de 70 vendedores ambulantes em Lajeado, muitos oriundos do estado da Paraíba ou do Haiti.

Vendedores ambulantes de Lajeado pedem a criação de um camelódromo no Parque Professor Theobaldo Dick, em Lajeado, para diminuir o impasse com as entidades de comércio e regularizar suas atividades na cidade. A proposta é cadastrar os interessados em participar e cobrar de cada um deles uma taxa mensal, segundo relata Nonato Alvares de Medeiros Soares, 29, que veio da Paraíba há nove anos para trabalhar nas vendas e hoje auxilia na administração de um hotel no centro de Lajeado. 

Ele participará da audiência da próxima quinta-feira, dia 23, no auditório da Prefeitura de Lajeado, e diz que os vendedores de rua precisam ser ouvidos. “Os vendedores ambulantes estão trabalhando para sobreviver, e o dinheiro fica em Lajeado porque eles precisam sustentar a família aqui, com aluguel e mercado”, relata. De acordo com Soares, a apreensão das mercadorias por parte da fiscalização é paliativa. “Se tirar os produtos da rua em um dia, no outro os vendedores estarão lá trabalhando de novo, pois eles precisam sustentar as famílias”. Ele estima que existam cerca de 70 vendedores ambulantes que residem em Lajeado, muitos oriundos do estado da Paraíba ou do Haiti.  
Soares alega que, a partir da criação do camelódromo, seria mais justo e fácil repreender os vendedores que atuam nas ruas do centro. “Em toda cidade funciona, então em Lajeado também pode”. 
De acordo com a lei vigente, os ambulantes pagam uma taxa ao Executivo para poderem atuar, mas não têm permissão para venderem nas principais vias do centro da cidade. 
Audiência no dia 23Entidades legadas ao comércio e ao poder público realizam a audiência na próxima quinta-feira, dia 23, para discutirem meios de diminuir o comércio ambulante ilegal. O encontro será baseado na campanha “O reflexo da pirataria é o crime”, desenvolvida pelo Sindilojas Regional Bento. Será às 8h30min, no auditório da Prefeitura.  
 O evento é aberto ao público e, para o presidente do Sindilojas Vale do Taquari, Francisco Weimer, é essencial que seja prestigiado por todos os que se sentem prejudicados pela atividade irregular.

Lei mais sobre audiencia abaixo
Comércio ambulante ilegal: Case do Sindilojas Regional Bento pauta encontro entre prefeitura, entidades e comunidade lajeadense no dia 23

por Leonardo Heisler
redacao@agoranovale.com.br