fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Sicredi Agora no Vale 728x90px

Prefeitura de Lajeado inicia construção de mais 300 gavetas mortuárias


Por Redação / Agora no Vale Publicado 12/04/2019
Ouvir: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Institucional-WhatsappDESKTOP

Das 300 gavetas a serem construídas, 256 são do tipo comum e outras 44 do tipo ossário

Por meio da Secretaria do Trabalho, Habitação e Assistência Social (Sthas), a Prefeitura de Lajeado iniciou recentemente a construção de mais 300 gavetas mortuárias no Cemitério Municipal Travessa da Paz, localizado no Bairro Florestal. Das 300 gavetas a serem construídas, 256 são do tipo comum e outras 44 do tipo ossário. Serão investidos na obra R$ 269,8 mil, provenientes da Sthas. O prazo para término da obra é outubro de 2019.

Salienta-se que, ainda em 2016, a STHAS construiu um bloco com 160 gavetas do tipo comum, e em 2017, mais um bloco com 256 gavetas comuns e 44 do tipo ossário. Destas últimas 300 gavetas construídas em 2017, restam apenas 50 vagas. “Este é o motivo pelo qual estamos construindo mais um bloco de gavetas”, afirma Anuar Machado dos Santos, responsável pela manutenção dos cemitérios municipais.

Exumações

Para viabilizar a construção de mais este bloco de gavetas mortuárias, no período de abril a maio de 2018, a Sthas realizou 105 exumações no cemitério Travessa da Paz. Ao final do trabalho, 33 restos mortais permanecem sem identificação. Eles foram catalogados com o máximo de informações possíveis, como por exemplo, local exato de onde estavam enterrados, para uma eventual futura identificação por parte de familiares e responsáveis. Informações que podem ajudar na identificação podem ser repassadas mediante contato pelo telefone 3982 1093. O objetivo com as exumações é liberar espaço no cemitério para permitir a construção de blocos com gavetas mortuárias. Isso ocorreem razão da legislação municipal não permitir mais que o município enterre corpos no solo, devendo sepultá-los em gavetas.

Texto: Rafael Scheeren Grün