fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

Desde os 15 anos na estrada, músico da região fala sobre a carreira


Por Redação / Agora no Vale Publicado 28/05/2019
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Leia a entrevista completa com o músico Márcio Staggemeier

Natural de Paverama, Márcio Staggemeier começou a tocar instrumentos aos seis anos, e saiu de casa aos 15 para iniciar a carreira profissional. Após muita experiência na estrada, integra a Banda Cabelo Cacheado, com Laura Dalmás. Hoje, ele mora em Teutônia. Confira entrevista.

Agora no Vale – O teu desejo pela música surgiu logo na infância, e te fez sair de casa cedo. Conta um pouco como iniciou essa trajetória.
Staggemeier – Saí de casa aos 15 anos, justamente por ser uma oportunidade de me lançar na música. Desde então sou profissional. O interesse pela arte vem desde muito cedo, comecei a tocar aos seis anos, mas antes disso já me interessava. Costumo dizer que apenas num curto período da minha vida eu não fui músico. O fato de meu pai também ter sido músico ajudou, pois sempre havia algum instrumento jogado no sofá, esperando ser tocado. Foi assim, de modo autodidata que me interessei por música desde tão cedo.

Agora no Vale – Como foi a experiência de sair de casa aos 15 anos?
Staggemeier – O fato de muito cedo ter saído de casa para encarar o mundo foi crucial. Sobretudo por ter tocado com ótimos músicos desde o início. Aos 17 anos passei a estudar música para valer e nunca mais parei. Ainda assim, considero que o que faz a diferença e que torna um músico mais completo é unir o estudo com vocabulário musical. Tocar é fundamental, tocar com artistas diferentes, tocar estilos variados, ouvir muita música. Enfim, viver a música.

Agora no Vale – Você já tocou em muitas bandas, teve participação com o Frank Solari, e está no projeto Cabelo Cacheado, que ganha bastante destaque. Conta um pouco sobre a carreira e também sobre essa parceria com a cantora Laura Dalmás.
Staggemeier – Eu toquei em trabalhos muito ecléticos. Cresci tocando e ouvindo pop e rock, mas como toquei em bandas de baile de qualidade, meu ecletismo musical aumentou muito e isso eu considero um fator muito importante na minha carreira. Aos 19 anos eu estava tocando samba, boleros, salsa, mambo, jazz. Isso tudo, claro, aliado aos estudos de música, que foram muito intensos nesse período.
Sempre lecionei e este é um lado da música que sempre me satisfez. No entanto, nada se compara a estar no palco. E nisso um fator fundamental foi e está sendo o trabalho com a cantora Laura Dalmás. Surgimos há 3 anos, começando a banda Cabelo Cacheado pouco antes da participação dela no The Voice. 
Passada uma fase de tocar cover na noite, atualmente estamos lançando nosso trabalho próprio, sendo a banda de apoio da Laura. É um trabalho que me realiza por completo, seja fazendo arranjos, concebendo show, convivendo ou estando no palco. É um trabalho pop. Eu me considero um músico pop, pois é preciso ter muita bagagem, muita linguagem e ecletismo para atuar nesse meio.

Sobre a Banda Cabelo Cacheado
A banda Cabelo Cacheado ingressa no cenário musical com um som único, adicionando a classe do Groove, a sonoridade dançante dos 80’s e a malícia do Soul a outros estilos que compõem o repertório da banda, como: R&B, Blues e Funk. É composta por Laura Dalmas (vocal principal e participante do The Voice Brasil), Marcinho Staggemeier (baixo e vocal), Thomás Werner (guitarra e vocal) e Germano Benini (bateria). Neste mês, eles se apresentaram no Jornal do Almoço. Confira:clique aqui

por Leonardo Heisler
redacao@agoranovale.com.br