fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Agora no Vale 728x90px Programa Fazer Juntos

Assembleia da Amvat aborda traumatologia e abastecimento de energia na região

Reunião dos prefeitos ocorreu em Sério durante a programação oficial da 2ª Feira da Pitaya


Por Redação Publicado 11/03/2024
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Aniversário-28-anosDESK
Amvat assembleia março Sério – agoranovale-lajeado (1)

Os atendimentos de média e alta complexidade em traumatologia na região e ações e investimentos da RGE Sul nos municípios foram os temas discutidos na assembleia geral da Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat), realizada em Sério, durante programação da Feira de Pitaya.

Segundo conclusões, no caso da Traumatologia, os atendimentos avançaram, mas a fila de espera ainda é grande. Já no caso da energia, foram apresentados investimentos por parte da RGE, mas é consenso a necessidade de mais melhorias e formas de otimizar o atendimento ao cliente.

Números da saúde

O encontro foi dirigido pelo presidente e prefeito de Venâncio Aires, Jarbas da Rosa, e trouxe como convidado o especialista em Saúde da 16ª Coordenadoria Regional de Saúde, Glademir Schwingel. O painelista apresentou os números em traumatologia e ortopedia na região, prestados pelos hospitais de referência de Estrela, Encantado, Teutônia e Arroio do Meio.

Amvat assembleia março Sério – agoranovale-lajeado (2)

Em 2023, nos quatro hospitais, o total de cirurgias de média complexidade, eletivas e urgência, alcançou o total de 1998, das quais 1.081 foram eletivas e 917 de urgência. As de alta complexidade, que começaram a ser realizadas como rotina a partir da habilitação pelo Ministério da Saúde, no início de outubro, são realizadas no Hospital Estrela. Estas cirurgias somaram 33 até o final do ano, chegando a 80 no final de janeiro de 2024. No entanto, a fila de espera ainda é grande, já que a região não conseguia um atendimento adequado em Canoas.

O sistema GERCON, que gerencia a agenda para primeiras consultas, registra atualmente um total de 1940 pacientes na fila para o Hospital Estrela, 326 pacientes para o Hospital de Encantado e 187 para o Hospital de Teutônia. Isso representa um total de 2.453 pessoas esperando pela primeira consulta.

“Este é um número dinâmico, muda todo dia, mas já foi bem maior antes das mudanças implementadas em meados de 2023”, destaca Schwingel.

Durante o ano, a rede na especialidade mudou, com a transferência da média complexidade de Arroio do Meio para Estrela, além da implantação de um ambulatório no Hospital de Encantado. Com um serviço a mais, as cirurgias de média complexidade, que somaram 391 na região no primeiro trimestre, saltaram para 650 no quarto trimestre.  O relatório apresentado destaca também as consultas, que em 2023 somaram 2.454 confirmadas no Hospital Ouro Branco, de Teutônia; 3.682 em ortopedia no Hospital Estrela (de junho a dezembro) e 1.371 no Hospital Santa Terezinha, de Encantado (de julho a dezembro).

Melhora gradual

Conforme Schwingel, 25 municípios dos 37 da área da 16ª Coordenadoria de Saúde, pacientes já realizaram ao menos uma cirurgia de alta complexidade no Hospital Estrela. Acrescenta que ainda há alguns atendimentos nos hospitais de Canoas, para os casos de urgência, envolvendo muitas vezes politraumatizados. Ele destacou, ainda, que conforme o mapa de referências aprovado, na média complexidade cada um dos três hospitais é responsável por uma parte dos municípios, realizando em média cerca de 210 consultas e 30 cirurgias por mês, no mínimo. Já o processo interno de atendimento nas instituições foi explicado pelo gerente administrativo do HE, Johnie Locatelli. “Não existeclassificação por município, mas por gravidade”, esclareceu. A redução da fila de espera por cirurgia ainda é um desafio. “É um processo ainda em construção, mas temos um case de sucesso em comparação a 2022, quando o atendimento ocorria somente em Canoas”, frisou Schwingel.

Energia

Representantes da RGE Sul também participaram da assembleia e apresentaram aos prefeitos as ações e planos de trabalho da concessionária para o Vale do Taquari. O gerente de Relacionamento com o Poder Público da empresa, Cristiano Pires, falou sobre o plano de inspeção de manutenção, entre outras ações, como a substituição de 223 mil postes de madeira por concreto nos últimos dois anos, por exemplo. Somente na área da Amvat, onde são atendidos pela RGE 18 municípios, foram investidos, segundo ele, R$ 122 milhões nos últimos três anos, sendo substituídos, neste mesmo período, 10 mil postes.

Amvat assembleia março Sério – agoranovale-lajeado (3)

Conforme Pires, 83% dos postes são de concreto e a cada cinco anos a concessionária realiza a inspeção de 100% da rede. Cristiano Pires lembrou que em 2023 o Rio Grande do Sul sofreu com 13 grandes tempestades, causando problemas na rede elétrica, para o que é necessário, após estes eventos, uma revisão da rede para evitar problemas futuros. Também citou que a RGE já formou um grupo de trabalho que estuda formas de chegar aos clientes de forma mais efetiva, principalmente no interior, a fim de evitar que fiquem muito tempo sem energia.

Ainda participaram da assembleia o novo coordenador regional de Proteção e Defesa Civil, coronel Claiton Marmitt, e o gerente de Negócios de Governos do Banrisul, Giuliano de Oliveira, que falou sobre o programa Caminhos da Escola. Prestigiaram a assembleia os deputados estaduais Luciano Silveira e Edvilson Brum, e o secretário estadual de Logística e Transportes, Juvir Costella, entre outras autoridades regionais. 


AI Amvat / #agoranovale