fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Agora no Vale 728x90px Programa Fazer Juntos

Hospitalizações por gripe aumentam quase 500% no RS; estado programa campanha de vacinação


Por Redação / Agora no Vale Publicado 19/03/2024
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Aniversário-28-anosDESK
campanha de vacinação agora no vale lajeado

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) alerta para um aumento de 466% nas hospitalizações por influenza durante as 11 primeiras semanas de 2024, em comparação com o mesmo período de 2023. Até o momento, 136 pessoas foram hospitalizadas, com sete óbitos registrados.

O Ministério da Saúde antecipou a campanha de vacinação para combater a doença, que começará em breve. A baixa cobertura vacinal em 2023 pode ter contribuído para o aumento dos casos. É crucial que a população busque a vacinação contra a gripe para prevenir a propagação do vírus e proteger a saúde pública.

Um lote de 480 mil doses de vacinas contra o vírus influenza, causador da gripe, chegou nesta segunda-feira (18/3) ao Rio Grande do Sul. Os imunizantes foram enviados pelo Ministério da Saúde para distribuição aos municípios, que farão a aplicação nos grupos prioritários.

Devido ao aumento do número de casos e de óbitos registrados no Estado, a estratégia de vacinação contra a influenza foi antecipada. Neste ano, a campanha ocorrerá entre 25 de março e 31 de maio, período em que as ações serão intensificadas.

O Dia D da Vacinação está programado para 13 de abril. Nessa data, os municípios são orientados a realizar atividades de mobilização junto às suas comunidades para que a população procure os postos de vacinação.

Conforme o Centro Estadual de Vigilância em Saúde, em 2024 já foram registrados quatro óbitos no Rio Grande do Sul em decorrência da gripe influenza. No mesmo período em 2023, foi registrado apenas um óbito. A vacinação é considerada a melhor estratégia de prevenção.

A infecção respiratória por influenza se apresenta em formas leves ou agudas. O objetivo da estratégia de vacinação é reduzir as complicações, as internações e a mortalidade em grupos específicos da população, considerados mais frágeis ou suscetíveis ao vírus. A vacina contra a influenza promove imunidade durante o período de maior circulação do vírus, além de reduzir o agravamento da doença, as internações e o número de óbitos.

Distribuição das vacinas

As vacinas estão sendo separadas e serão enviadas para as 18 Coordenadorias Regionais de Saúde (CRS) na terça-feira (19/3). O serviço é realizado pela Secretaria da Saúde (SES), por meio da Central Estadual de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Ceadi), com sede em Porto Alegre.

São as regionais que se encarregam de encaminhar para os municípios, em quantidade proporcional à estimativa de população prevista para a campanha em cada uma das cidades da sua área de abrangência.

Grupos prioritários

A estimativa de pessoas a serem vacinadas no Rio Grande do Sul, conforme os grupos prioritários, é de 4.973.674 habitantes. A meta é vacinar 90% de cada um dos grupos a seguir:

  • Crianças (a partir dos seis meses a menores de seis anos de idade; e indígenas e com comorbidades – dos seis meses aos nove anos de idade)
  • Trabalhadores de saúde (em atividades na assistência, vigilância, apoio, cuidadores, doulas/parteiras e estudantes prestando atendimento em serviços de saúde)
  • Gestantes
  • Puérperas
  • Professores de todos os níveis
  • Povos indígenas
  • Idosos com 60 anos ou mais de idade
  • Pessoas em situação de rua
  • Profissionais das forças de segurança e salvamento
  • Profissionais das forças armadas
  • Pessoas com doenças crônicas e não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, independentemente da idade
  • Caminhoneiros
  • Trabalhadores do transporte coletivo rodoviário
  • Trabalhadores portuários

Como a influenza e a covid-19 continuam sendo agravos de risco para a saúde pública, principalmente para as pessoas não vacinadas, é importante que a população aproveite este período de campanha para atualização da situação vacinal também contra a covid-19.

A SES recomenda, ainda, o uso de máscaras de proteção facial para pessoas com sintomas gripais e reforça que a população deve procurar atendimento médico nas unidades básicas de saúde para diagnóstico e tratamento.