fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Sicredi Agora no Vale 728x90px

Vítimas de violência doméstica são atendidas no balcão


Por Redação / Agora no Vale Publicado 28/05/2019
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Institucional-WhatsappDESKTOP

Delegado regional, José Romaci Reis, diz que falta espaço físico adequado e que problema já está sendo resolvido

Vítimas de violência doméstica reclamam que não há atendimento reservado em Lajeado e que são atendidas no balcão da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), tendo que expor seus casos perante outras pessoas. Problema já é analisado pela delegacia regional de Polícia Civil, que garantiu resolução da situação.

Hoje, a violência doméstica é um dos atendimentos policiais com maior demanda no Vale do Taquari. As principais vítimas são mulheres e crianças que passam por alguma situação de agressão ou abuso, em entre eles os sexuais. Para isso, a Lei Maria da Penha prevê que os atendimentos sejam realizados pela polícia em sigilo e em local especial, justamente para preservar a pessoa e também as denúncias feitas por ela.

Em Lajeado,  há um setor especializado para esses procedimentos: a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam). Recentemente o setor conquistou na justiça diversas prisões de abusadores de crianças na região. Porém, esse setor atende apenas no horário de expediente comercial, e segundo o Delegado Regional de Polícia Civil, José Romaci Reis, não tem um espaço especifico de atendimento reservado. Assim, 24 horas por dia todos os atendimentos são encaminhados para os policiais plantonistas.

No plantão, chamado de Delegacia de Pronto Atendimento, é o local onde são registradas todos as ocorrências do dia a dia, desde trânsito, tráfico de drogas, homicídios, lesão corporal… até abusos sexuais de crianças.

Solução
O delegado regional Reis, diz que o problema será resolvido. Garante que a polícia já está tentando resolver o problema e criar melhores condições de atendimentos para as pessoas vulneráveis. 

O pedido é para que as vítimas sigam na procura por solução na polícia, visto que a cada dia mais casos são solicionados. 

Redação 
redacao@agoranovale.com.br