fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Sicredi Agora no Vale 728x90px

Quadrilha de roubo de veículos é presa pela PC


Por Redação / Agora no Vale Publicado 26/06/2018
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Institucional-WhatsappDESKTOP

Operação combate esquema de roubo de veículos e lavagem de dinheiro que lucrava até R$ 800 mil por mês no RS

Megaoperação foi realizada na manhã desta terça-feira (26) no Rio Grande do Sul para desarticular esquema criminoso com 62 pessoas identificadas e que lucrava até R$ 800 mil por mês.

De acordo com a investigação, o grupo se dividia em tarefas e tipos de ações, como se fosse uma escala industrial, contando com pagamentos de salários, prêmios e até divisão de lucros.

Além do roubo e clonagem de veículos, principalmente em Porto Alegre, os suspeitos revendiam carros e peças para 16 Estados, lavavam dinheiro com apartamentos e automóveis de luxo, bem como com empresas, para depois aplicar golpes no comércio e em instituições.

Os líderes eram chamados de barões do crime, por isso a megaoperação recebeu o nome de Barão. Foram envolvidos 370 policiais no cumprimento de 34 mandados de prisões temporárias e preventivas, 52 de busca e apreensão, 72 de sequestro e indisponibilidade de imóveis de luxo e de locação, veículos, embarcações, contas bancárias e ativos financeiros.

As ações ocorreram em Porto Alegre, Canoas, Viamão, Alvorada, Gravataí, Guaíba, Arroio dos Ratos, São Jerônimo e Taquara. Até as 7h45min, 31 pessoas haviam sido presas e 25 veículos apreendidos, assim como US$ 3,2 mil.

Entre os veículos apreendidos, estão um BMW X6 e um Land Rover Freelander blindados, além de outros cinco carros de luxo, como um esportivo inglês Lotus avaliado em R$ 498 mil. Também foram sequestrados judicialmente iates e imóveis de luxo, como mansões nos litorais catarinense e gaúcho, bem como na Ilha da Pintada.

Os bens apreendidos nesta terça-feira foram avaliados em pelo menos R$ 11 milhões, sem contabilizar as 23 contas bancárias bloqueadas.

fonte PC/Rs