fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Agora no Vale 728x90px
  • Agora No Vale – Banner Site Anuncie Conosco 728x90px

Presos suspeitos de vender antenas de internet gratuitas em meio à crise das enchentes do RS

Esquema vendia o famoso sistema Starlink mas a entrega das antenas não era realizada


Por Redação Publicado 03/07/2024
Ouvir: 00:00
  • Agora No Vale – Banner Site Anuncie Conosco 728x90px
Polícia Civil antenas – prisão suspeitos.jpg

Em meio às enchentes do Rio Grande do Sul, o famoso e bilionário empresário Elon Musk fez a doação de antenas de internet via satélite – Starlink (também nome da empresa) para ajudar alguns municípios e entidades nos momentos de maior crise, principalmente no período que os tradicionais meios de comunicações ainda estavam inoperante. Pois um grupo aproveitou-se da ideia para tentar lucrar aplicando um golpe em interessados em contar com o modelo que tem sinal via satélite.

Pois neste quarta-feira (03), a Polícia Civil do Rio Grande do Sul prendeu três suspeitos em Minas Gerais e São Paulo, acusados de prometer antenas de internet via satélite gratuitas da Starlink.

Polícia Civil antenas – prisão suspeitos 2

Esquema

Os criminosos se aproveitaram das enchentes para disseminar falsos anúncios na internet, atraindo vítimas com a promessa de antenas de internet via satélite gratuitas. Em maio, Elon Musk realmente enviou 1.000 terminais de conexão ao governo do RS para ajudar na comunicação em unidades de saúde, escolas e serviços públicos.

Como funcionava o golpe

Os golpistas criaram páginas falsas que simulavam o site da Starlink, pedindo aos usuários o custeio do frete via PIX. Após preencherem seus dados pessoais, os interessados eram redirecionados para uma página fake, onde um QR Code permitia o pagamento do frete. O valor transferido ia diretamente para contas operadas pelos criminosos, e a entrega das antenas não ocorria.

“Oportunistas se aproveitam de momentos de crise, quando a população está mais suscetível a fraudes devido ao estado de emergência e necessidade urgente de auxílio,” afirmou o delegado João Vitor Herédia, da Polícia Civil do RS. Todas as páginas falsas foram retiradas do ar e as contas vinculadas aos CPFs e CNPJs dos investigados foram bloqueadas. Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão.


Fonte: Polícia Civil e G1 #agoranovale

fotos: reprodução Polícia Civil