fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Agora no Vale 728x90px Programa Fazer Juntos

Nove pessoas são resgatadas de condições análogas à escravidão no RS


Por Redação / Agora no Vale Publicado 18/03/2024
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Aniversário-28-anosDESK
trabalho análogo escravidão agora no vale lajeado

Uma operação da Polícia Federal realizada na sexta-feira (15) resultou no resgate de nove pessoas que estavam em condições semelhantes à escravidão em uma propriedade rural de Manoel Viana, na Fronteira Oeste do RS. A ação foi desencadeada após uma investigação conjunta que contou com a colaboração do Ministério Público do Trabalho (MPT) e da Polícia Civil.

Os trabalhadores, incluindo um adolescente, foram encontrados alojados em um galpão de madeira que não oferecia condições mínimas de higiene e segurança. Além disso, o local apresentava fiação elétrica exposta e evidências de insalubridade, evidenciando as péssimas condições em que viviam.

“Nove trabalhadores estavam alojados numa espécie de barraco de madeira em situação absolutamente desumana”, destacou o delegado Vinicius Barancelli, responsável pela investigação. Os trabalhadores haviam sido contratados para atividades relacionadas à cultura de arroz e aplicação de agrotóxicos na lavoura.

Prisões em flagrante

Os proprietários da propriedade e um homem apontado como aliciador dos trabalhadores foram presos em flagrante durante a operação. Após passarem por audiência de custódia, foram libertados mediante pagamento de fiança e estabelecimento de medidas cautelares, conforme afirmou o advogado de defesa, Miguel Garaialdi. A suspeita é que respondam por crime de redução de seres humanos à condição análoga à de escravo, porém, os nomes dos suspeitos não foram divulgados.

Medidas de proteção aos trabalhadores

Após o resgate, os trabalhadores, com idades entre 17 e 34 anos e provenientes de cidades da Fronteira Oeste do RS, foram conduzidos de volta às suas residências. O Ministério Público do Trabalho prestou assistência aos envolvidos e adotou as medidas necessárias para garantir seus direitos.