fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Sicredi Agora no Vale 728x90px

MP recolhe documentos e provas em colégio de Lajeado


Por Redação / Agora no Vale Publicado 19/03/2019
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Institucional-WhatsappDESKTOP

Promotor se reuniu nesta tarde de terça-feira com a direção do colégio particular envolvido no caso de jovens consumindo álcool e drogas

O Ministério Público, com apoio da Brigada Militar, se reuniu nesta tarde de terça-feira, dia 19, com a direção de uma escola particular de Lajeado envolvida no caso de estudantes que consumiram drogas e bebidas alcoólicas durante um piquenique há uma semana em Lajeado.

Vídeos e áudios de alunos e pais viralizaram nas redes sociais desde segunda-feira, mas já circulavam desde a quinta-feira na internet. Imagens mostram os adolescentes com idades de 12 a 14 anos, aparentemente alcoolizados, se bulinando no meio de um grupo de amigos, a luz do dia durante um piquenique escolar. Não há registro de ocorrência dos fatos.

De acordo com o promotor de justiça, Carlos Augusto Fiorioli, o colégio foi notificado na sexta-feira que deveria repassar alguns documentos, mas não o fez. Nesta tarde o promotor foi com a força policial até o local e recolheu os documentos e outras provas. “Eles estão alertados e muito alertados sobre a postura que precisam adotar como escola e quando um orgão oficial solicita documentos.”

Segundo alguns pais de alunos do colégio, que procuraram a reportagem mas preferiram não se identificar, houve reunião com a direção, mas nada foi resolvido até o momento. Apenas houve a suspensão de três dias para 14 estudantes da 8ª série, envolvidos no caso. Destes, mais de 70% são meninas. 

Eles alegam ainda que os encontros da mesma turma também ocorrem fora da escola e alunos da mesma série de outras escolas também estariam envolvidos. “Minha filha assumiu que está no grupo e que experimentou a droga. Mas duvido que tenha sido a primeira vez. É preciso que algo seja feito. Precisamos de ajuda urgente”, clama uma mãe.

A direção da escola foi contatada, mas até o momento ainda não retornou á reportagem.

Redação 
redacao@agoranovale.com.br