fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Agora No Vale – Banner Site Anuncie Conosco 728x90px
  • Banner Agora no Vale 728x90px

Homem é acusado de agredir 10 namoradas e por tentativa de feminicídio contra uma delas


Por Redação / Agora no Vale Publicado 02/07/2024
Ouvir: 00:00
  • Agora No Vale – Banner Site Anuncie Conosco 728x90px
juriamorin0624

Na manhã desta terça-feira, 2 de julho, teve início em Porto Alegre o julgamento de um homem de 43 anos acusado de tentativa de feminicídio contra uma de suas ex-namoradas. O caso, que ocorreu em dezembro de 2019 no bairro Hípica, na Zona Sul da capital gaúcha, ganhou notoriedade devido às circunstâncias violentas e ao histórico de agressões do réu.

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), representado pelo promotor Eugênio Amorim, acusou o homem de tentar asfixiar a vítima dentro de um carro estacionado, um crime qualificado por motivo torpe, dissimulação, meio cruel e a questão de gênero. A vítima sobreviveu graças à intervenção de um motorista que testemunhou as agressões e prestou socorro.

Além desse crime, o réu possui um histórico preocupante de violência contra mulheres, incluindo agressão, ameaça e descumprimento repetido de medidas protetivas. Investigações apontam que ele já agrediu outras nove ex-namoradas, com casos registrados desde 2001 em Porto Alegre, Gravataí, e até mesmo em Brasília e Barcelona, na Espanha. Em 2019, ele foi detido durante uma operação nacional de combate a feminicídios, mas foi liberado no dia seguinte.

Durante o julgamento, que promete ser extenso com a audição de nove testemunhas, o promotor Amorim expressou a determinação do MPRS em buscar a condenação do réu, enfatizando a existência de provas consistentes do crime cometido. A primeira a depor foi a própria vítima, que já havia registrado sete ocorrências policiais contra o agressor.

Atualmente, o acusado está detido na Penitenciária Estadual de Canoas, aguardando o desfecho do julgamento. O caso reforça a urgência da discussão sobre violência doméstica e a importância da denúncia, conforme destacado pelo MPRS, incentivando todas as mulheres a reportarem agressões.