fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Sicredi Agora no Vale 728x90px

Golpista da construção civil ataca no Vale do Taquari


Por Redação / Agora no Vale Publicado 20/01/2019
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Institucional-WhatsappDESKTOP

Homem se apresenta como “Doutor Brandão” e pede para que vítimas paguem boletos antes de iniciarem obras para ele

Um golpista, com casos de estelionato em diversas regiões brasileiras, começa a fazer vítimas no Vale do Taquari. O “Doutor Brandão”, como ele se identifica ataca, em especial, empresas e trabalhadores que atuam na construção civil, desde engenheiros e construtoras, até pedreiros e lojas de materiais de construção.

Um engenheiro civil de Lajeado, que não quis se identificar, contou como teve contato com o estelionatário nesta semana. Segundo ele, o homem ligou e logo se identificou como Dr. Brandão.  “Me disse que precisava construir galpões no interior, coisa grande, e que precisava de equipes de engenheiros e pedreiros. Como faço apenas projetos, indiquei terceiros.”

No dia seguinte recebeu a ligação de um pedreiro que desconfiou do homem. “Ele pediu para pagarmos alguns boletos para ele, antes de iniciar as obras, sob alegação que iria transferir em seguida o valor total.” O profissional logo desconfiou e começou a buscar informações.

Em paralelo, a isso, entrou em contato com outras equipes e inclusive com lojas de materiais de construção. Segundo o engenheiro, vários acataram o pedido do homem e já registraram boletim de ocorrência.

Outras vítimas já registradas 

Em depoimento a vítima alega que o homem ligou para ele e se identificou como “Doutor Brandão”, logo em seguida, disse que tinha uma obra muito grande para fazer na cidade e contratou seu serviço. Por meio do celular, o golpista ainda encaminhou fotos da planta da obra e do maquinário.

Dias depois, novamente entrou em contato com a vítima e disse que precisa de R$ 1,5 mil para liberar algumas maquinas que estavam trancadas no carregamento. Depósito foi feito, e um encontro foi marcado para acertar últimos detalhes.

No dia no encontro o golpista não apareceu e nem atendeu o telefone. No dia seguinte, quando conseguiu o contato, o estelionatário confessou que se tratava de um golpe e desligou o telefone, não sendo mais localizado.

Redação
redacao@agoranovale.com.br