fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Agora no Vale 728x90px Programa Fazer Juntos

Disparidade homens x mulheres no mercado de trabalho ainda é maior do que o imaginado

 Relatório do Banco Mundial revela lacunas mas prevê potencial econômico em quem investir no equilíbrio  


Por Redação Publicado 11/03/2024
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Institucional-WhatsappDESKTOP
Cheerful young dark-skinned female interior designer wearing stylish glasses and blue shirt standing at her workplace, placing hands on desk after finished working on new project, smiling happily
Cheerful young dark-skinned female interior designer wearing stylish glasses and blue shirt standing at her workplace, placing hands on desk after finished working on new project, smiling happily

Um relatório recente divulgado pelo Banco Mundial revelou que a disparidade de gênero no mercado de trabalho é ainda mais acentuada do que se pensava, com nenhum país do mundo oferecendo oportunidades iguais para homens e mulheres.

De acordo com a pesquisa, preencher essa lacuna de gênero poderia impulsionar o Produto Interno Bruto (PIB) global em mais de 20%, destacando o potencial econômico desperdiçado devido à desigualdade de gênero.

Poucos avanços práticos

Apesar de avanços legislativos significativos nos últimos anos, com 95 países promulgando leis sobre igualdade salarial, apenas 35 deles têm medidas efetivas para garantir a implementação dessas regras. Os especialistas apontam que a falta de estrutura de apoio contribui para a lacuna na implementação das leis, especialmente em países que realizaram reformas recentes.

 Notavelmente, os países africanos têm mostrado progressos mais rápidos na reforma legislativa, embora enfrentem desafios na aplicação efetiva dessas leis. Ao mesmo tempo que criaram leis, são os que menos colocaram as mesmas “pra valer” na vida real.

Brasil

No contexto brasileiro, apesar de as mulheres serem mais instruídas, representando 21% dos graduados em comparação com 17% dos homens, a disparidade de gênero persiste, especialmente em cargos de gerência. Em 2022, apenas 39% dos cargos gerenciais eram ocupados por mulheres, em comparação com 61% por homens.

Além disso, a disparidade salarial também é evidente, com o rendimento médio das mulheres em cargos de gerência em 2022 sendo 21% inferior ao dos homens, totalizando R$ 6.600.

Esses dados destacam a necessidade urgente de medidas concretas para promover a igualdade de gênero no mercado de trabalho, não apenas em termos de legislação, mas também em termos de implementação efetiva e apoio estrutural para garantir oportunidades iguais para homens e mulheres.


#agoranovale foto: ilustrativa FreePik