fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Banner Sicredi Agora no Vale 728x90px

Cheias potencializam risco de doenças infectocontagiosas e Teutônia faz alerta à população

Cidadãos devem se atentar aos sintomas e procurar atendimento médico nos postos de saúde


Por Redação Publicado 16/05/2024
 Tempo de leitura estimado: 00:00
  • Agora-No-Vale—Banner-Forquetinha—Institucional-WhatsappDESKTOP
enchente Teutônia – agoranovale-lajeado

Após as intensas chuvas que atingiram o município de Teutônia, ocasionando inundações e o transbordo dos arroios Boa Vista, Harmonia e Schmitt, o risco de transmissão de doenças infectocontagiosas aumentou consideravelmente. Além disso, ambientes com destroços e entulhos aumentam o risco de acidentes com animais peçonhentos, como escorpiões, aranhas e cobras.

Entre as maiores preocupações está a leptospirose. Trata-se de uma doença infecciosa febril aguda, causada por uma bactéria encontrada na urina do rato e que pode acessar o organismo humano através da pele. Os principais sintomas da doença são febre, dor de cabeça intensa, náuseas, vômito, cansaço, alterações no aspecto e cor da urina, dores no corpo – principalmente nas panturrilhas – e coloração amarelada nos olhos e na pele.

Doenças como hepatite A e tétano também preocupam a Secretaria de Saúde neste momento pós-inundações. A transmissão da hepatite A é fecal-oral e está altamente relacionada ao consumo de água ou alimentos contaminados. Os sintomas são inespecíficos, podendo se manifestar, inicialmente, como fadiga, mal-estar, febre, dores musculares, e avançando para sintomas gastrointestinais como: enjoo, vômitos, dor abdominal, constipação ou diarreia. Antes da icterícia – fase em que o paciente apresenta aspecto amarelado nos olhos e na pele – ocorre o escurecimento da urina. Os sintomas costumam aparecer entre 15 e 50 dias após a infecção, perdurando por, no máximo, dois meses.

O tétano, por sua vez, apresenta sintomas como rigidez muscular, principalmente no pescoço, dificuldade para abrir a boca e para engolir, além de riso convulsivo involuntário –  produzido por espasmos dos músculos da face. Não contagiosa, a doença é causada por uma toxina produzida pela bactéria Clostridium tetani, encontrada nas fezes de animais e seres humanos, em  plantas e outros objetos. Quando em contato com feridas, cortes ou mordidas de animais, o microrganismo pode penetrar, provocando o tétano acidental.

A equipe de Vigilância Ambiental em Saúde alerta a população sobre a gravidade dessas doenças. “Se você entrou em contato com a água das inundações ou consumiu algum alimento que pode ter tido contato direto, esteja atento aos sintomas da leptospirose, da hepatite A e do tétano”, afirma Evandro Borba, coordenador da Vigilância Sanitária de Teutônia. Evandro salienta ainda a importância de procurar atendimento médico ao apresentar os primeiros sintomas, possibilitando um tratamento precoce e evitando o avanço para um quadro fatal.

—————————

Sara Ávila/Assessoria de Imprensa Teutônia / #goranovale