fbpx

Ao clicar em "Continuar navegando", você concorda com o uso de Cookies e com a Política de privacidade do site.

  • Agora No Vale – Banner Site Anuncie Conosco 728x90px
  • Banner Agora no Vale 728x90px

Cresce o número de brasileiros que esquecem de resgatar dinheiro dos consórcios


Por Redação / Agora no Vale Publicado 08/07/2024
Ouvir: 00:00
  • Agora No Vale – Banner Site Anuncie Conosco 728x90px

É raro, mas comum: muitos brasileiros têm dinheiro esquecido em diversos lugares, incluindo o Sistema de Valores a Receber (SVR) do Banco Central, o Fundo Garantidor de Créditos (FGC), e nas administradoras de consórcios. O volume de recursos não procurados (RNP) em consórcios aumentou 15%, encerrando 2023 em R$ 1,93 bilhão.

Esses recursos são valores pendentes de devolução a cotistas de grupos de consórcio encerrados, provenientes de saldos residuais e fundo de reserva, e em alguns casos, de créditos principais. Os dados fazem parte do Panorama do Sistema de Consórcios (PSC), publicado anualmente pelo Banco Central.

Os valores podem ser consultads e solicitados diretamente às administradoras de consórcio. O cotista ou seus representantes podem verificar a existência desses valores no SVR, criado pelo Banco Central.

Documentação necessária: A administradora de consórcio define os documentos necessários para efetivar o resgate. Para pedidos via SVR, basta seguir os procedimentos no site Valores a Receber (bcb.gov.br).

Correção dos valores: Os valores são corrigidos desde a data de disponibilidade, geralmente seguindo os índices da aplicação financeira do grupo de consórcio. A administradora pode cobrar uma taxa de permanência mensal, conforme contrato de adesão ou assembleia.

Sem prazo limite para solicitação, os valores permanecem administrados e disponíveis pela administradora, sujeitos à taxa de permanência até serem extintos por atingir valor mínimo, se definido no contrato ou assembleia.