O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, é suspeito de ter assediado uma funcionária desde abril do ano passado. A denúncia está com a Comissão de Ética da CBF e a Diretoria de Governança e Conformidade. A funcionária afirma que pode provar que os assédios morais e sexuais ocorreram. Ela pede investigação tanto na comissão da CBF como a Justiça Estadual.

Um dos fatos narrados pela vítima é que Caboclo tentou forçá-la a comer um biscoito de cachorro, chamando-a de “cadela”. As informações foram publicadas no jornal O Globo. Rogério Caboclo não se pronunciou.

Rogério Caboclo é acusado de assédio sexual por funcionária da CBF — Foto: Reprodução/Rede Amazônica
Rogério Caboclo é acusado de assédio sexual por funcionária da CBF — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

A funcionária afirma ainda que ela teve sua vida pessoal exposta diante de outros funcionários, com narrativas falsas criadas pelo presidente acerca de supostos relacionamentos que teria tido no âmbito da CBF. Ela afirma que durante os abusos o presidente estaria sob efeito de álcool.

Considerada de perfil discreto e reservado, a funcionária está na CBF desde 2012. Foi contratada para trabalhar na recepção e, posteriormente, promovida para o setor de cerimonial.