Diversos animais de estimação foram mortos no Universitário, e há riscos também para as crianças. Comunidade reage

Bernardo, de dois anos e seis meses, ao acordar na manhã desta terça-feira, 6, ouviu dos pais que havia perdido o terceiro cão de estimação em um mês. Não soube dos detalhes, duros demais para todos dessa redondeza do Universitário, em Lajeado, nas imediações da AV Senador Alberto Pasqualini.

Ao menos uma dezena de cães e gatos de estimação, dóceis, foram envenenados nessa área nos últimos dias. “Os bichinhos começam a se espernear, gritam, até parar de respirar, e ficam duros igual pedra”, lamenta Edgar Westenhofen Neto, pai do pequeno Bernardo, que nesta terça organizou um mutirão para registrar todas essas ocorrências.

Antes Bernardo havia perdido um Labrador e um filhote de Pastor Alemão (foto), e agora terá que lidar com falta do amigo que o viu chegar da maternidade. Aquiles tinha quatro anos.

Essa realidade dolorosa pode se transformar em tragédia. Crianças já encontraram potes com veneno em locais onde elas brincam, como em praças. “É impossível não se revoltar com a pessoa que faz isso. É um monstro”, afirma Edgar. A partir dos relatos das ocorrências, a polícia deve procurar indícios do criminoso, que levará uma punição de acordo com a nova lei: a pena é de 2 a 5 anos de prisão.

Texto: Leonardo Heisler