Para ter acesso a comida acessível de restaurante, imigrantes se cadastraram na prefeitura e agora têm direito a quentinhas vendidas ao preço simbólico de R$ 5

Enquanto muita gente engorda na quarentena, outros tantos carecem de alimentação e nutrientes adequados.

Felizmente, boas iniciativas florescem na área com a ajuda de restaurantes lajeadenses.

Imigrantes desempregados estão tendo a oportunidade de comer alimentação de buffet pagando pouco e se beneficiando de uma corrente solidária.

A nutricionista Ana Paula Dexheimer idealizou o Projeto Prato Sagrado e contou com braços e apoios de outras pessoas. A ideia vem ganhando sentido.

NOVE RESTAURANTES ADERIRAM

O objetivo do projeto é distribuir viandas a preço de custo com o que “sobra” dos restaurantes ao meio-dia.

Viandas custam em média R$ 13. Mas, para imigrantes, elas são oferecidas por R$ 5, dependendo de cada estabelecimento.

O projeto existe em Lajeado há um mês e já tem cadastrados nove restaurantes.

Em uma semana, 250 viandas foram oferecidas para pessoas em situação de vulnerabilidade.

“Estamos felizes com o resultado, pois entendemos que para muitos, esta tem sido a única refeição do dia”, salienta Ana.
Cardápios diversos compõem o prato, mas a dupla básica arroz e feijão está presente em todos.

QUENTINHA PARA IMIGRANTES CADASTRADOS

O restaurante faz a vianda com alimentos que não foram comercializados até o momento do encerramento das atividades ao público.
O pessoal do restaurante monta a vianda e um representante do grupo passa para retirar. O pagamento é feito pelo projeto uma vez por semana.
.
Os imigrantes se organizaram e estão com cadastros em dia na prefeitura. Vários deles estão desempregados.

Um levantamento dos mais necessitados foi feito pelo representante do grupo. Este representante investiga a quem deve ser ofertado o alimento.
Cada quentinha é vendida pelo restaurante pelo valor de R$5,00.

APOIO DA COMUNIDADE
Para a manutenção do projeto é fundamental o apoio da comunidade através da doação de valores nos restaurantes conveniados .

O Rotary Club Lajeado Integração entrou na parceria. Ele faz a intermediação dos valores doados.

Há dez dias, a lei mudou e agora permite a doação de comida pelos restaurantes.

Ana diz que nada mudou pois não havia objetivo de lucro por parte dos restaurantes.

“Entendemos que o custo de produção e embalagem dos alimentos deve ser ressarcida ao restaurante. É uma questão de sustentabilidade da classe”, considera Ana, a idealizadora do projeto.

O restaurante que quiser se cadastrar pode clicar no link: www.pratosagrado.com.br

Texto: Andreia Rabaiolli/ Agência Mundo Líquido
https://www.instagram.com/agenciamundoliquido/