fbpx

Ocorrências com roubo de tabaco cru reduzem a zero


Por Redação Publicado 12/11/2021

Resultado foi obtido por meio do trabalho conjunto entre indústrias, segurança pública e transportadores

A análise e os resultados sobre a segurança no transporte do tabaco da safra 2020/2021 foram apresentados pela comissão de Segurança do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) a autoridades da segurança pública.

O momento foi de boas notícias, já que o número de roubos de cargas de tabaco cru da última safra foi zero nos três estados do Sul do Brasil: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

O presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, lembrou que os bons resultados se devem à união entre o excelente trabalho dos órgãos de segurança pública e o esforço das indústrias de tabaco em apoio aos transportadores e para agilizar as comunicações de incidências. “A participação dos órgãos de segurança foi de fundamental importância para chegarmos a esses resultados”, comentou.  

Cargas monitoradas

Conforme Juliano Glesse, representante da comissão de segurança do SindiTabaco, em 2019 ocorreram 26 roubos de cargas, em 2020 foram nove ocorrências e em 2021 não foi registrado nenhum caso.

Cita que as indústrias e transportadores adotam várias estratégias como fazer o monitoramento das cargas, inclusive com a implantação de dispositivos eletrônicos colocados como iscas em fardos de tabaco. Com isso, foi possível haver comunicação aos órgãos de segurança e a recuperação das cargas. 

Para o delegado Luciano Menezes, a implantação dos sistemas eletrônicos de monitoramento do tabaco e a rápida solução dos últimos casos de roubos de cargas, intimidaram os ladrões. “A notícia se espalha e é um desestímulo para quem planejava roubos de cargas”, comentou. Ele sugeriu seguir com o trabalho feito e ampliar a questão pedagógica direcionada aos transportadores e produtores sobre como agir com segurança. 

Rapidez na denúncia

Para o tenente-coronel Giovani Moresco a comunicação rápida das ocorrências faz diferença para a recuperação das cargas. “Em um minuto, conseguimos colocar uma placa de veículo no sistema de alerta de todo o Estado. Então, quanto mais rápida for a informação, melhor”, comenta.

Por isso, as autoridades da segurança pública sugeriram criar mecanismos para reduzir ainda mais o tempo de resposta entre a ocorrência e a comunicação.  

Como planos para a safra 2021/2022, a comissão de segurança apresentou a arte do adesivo ‘Carga segura’ para os caminhões e o projeto de criação de um aplicativo para haver acompanhamento em tempo real e ainda mais rapidez e facilidade na informação e comunicados.

Também foi elaborado um novo folder para os transportadores lembrando a importância da continuidade das práticas de transporte seguro que já deram bons resultados. 

Previna-se! 

– Assegurar que o veículo esteja devidamente abastecido para evitar paradas não programadas. 

– Procurar usar postos 24 horas com estacionamento próprio, vigilância e sistema de câmeras de segurança para as paradas. 

– Evitar a exposição da carga, deixando-a em local protegido e seguro. 

– Sempre que possível deixar o veículo em local com boa iluminação. 

– Manter disponíveis e acessíveis os contatos de emergência – Brigada Militar – Polícia Civil e SAMU. 

– Evitar viajar à noite e não desviar da rota. 

– Não dar carona a pessoas alheias à operação de transporte de tabaco, inclusive para familiares ou conhecidos. 

– Não repassar informações a terceiros sobre a carga, rotas e sobre os sistemas de segurança do veículo. 

– Sempre que possível, viajar em comboio com contato visual permanente, dificultando a ação dos assaltantes. 

– Se o motorista notar alguma situação suspeita deve procurar o mais rápido possível parar o veículo em um local movimentado e acionar a polícia. 

– Lembrete: contatos de emergência: 190 – Brigada Militar; 191 – Polícia Rodoviária Federal; 192 – SAMU; 193 – Bombeiros; 197 – Polícia Civil; 198 – Polícia Rodoviária Estadual. 

Foto Divulgação Brigada Militar

PATROCÍNIO

O AGRO NO AGORA é uma editoria patrocinada por: