Como o movimento slow fashion pode influenciar no nosso jeito de consumir


Muito já ouvimos falar a respeito do movimento slow fashion, que surgiu em contraponto ao absurdo desenfreado e anti-ético do fast fashion. A indústria da moda chegou a um ponto insustentável, de crescimento e mudanças rápidas demais para que o mercado e o consumidor pudessem absorver, e com danos irreversíveis ao meio ambiente.

Sem falar no desrespeito ao trabalho ético, com o aumento de trabalhadores da área em situação análoga à escravidão. A moda slow veio para frear essa indústria que só visava o lucro acima de qualquer conceito.

Já o movimento slow fashion é um conceito recente e atual que busca produzir moda de forma consciente, reduzindo o impacto no meio ambiente e sempre procurando respeitar aspectos sociais e econômicos.

É também conhecido como moda verde porque trabalha com conceitos éticos, nos âmbitos sociais, econômicos e ambientais. Do ponto de vista econômico porque garante o comércio justo, praticando valores que mostram custo real com cobrança de uma taxa extra que permita a continuidade da produção.

E como nós, aqui do interior, longe dos grandes centros comerciais, com pouco acesso a novas marcas que sejam comprometidas com os valores éticos e sociais do slow fashion, podemos fazer nossa parte?

Depois do aluguel de roupas e da venda compartilhada, uma das principais tendências que vem crescendo bastante nos últimos anos, é a moda sob medida. Aquela modalidade antiga, das nossas avós e bisavós que era bastante comum. Hoje está voltando!

Roupa sob medida está de volta

Quais as vantagens da roupa sob medida:

  • É exclusiva, lógico, feita para seu tamanho e só para você;
  • As chances de ficar bem em você são maiores;
  • Mais qualidade nos acabamentos e durabilidade do material;
  • Você não desperdiça tecido nem material, pois as roupas sob medida são produzidas buscando o menor consumo de tecido e aproveitando os menores pedaços que, na moda tradicional, vão para o lixo;
  • Está colaborando com a economia local;
  • Esta colaborando com o meio ambiente em diversos aspectos, por não desperdiçar matéria prima, por não precisar de transporte pra chegar até você,
  • Incentivo ao empreendedorismo feminino;
  • Ajuda no sustento de muitas famílias perto de você.
Fast fashion era o exagero do desperdício

Enfim, não há toneladas de descarte dos resíduos como o do sistema fast fashion. A compra dos insumos é direcionada para a produção de uma peça encomendada, não restando margem para sobras e desperdícios.

Não gera estoque e, portanto, não entra em liquidação, pois o consumo é imediato, o cliente adquire uma peça única, exclusiva. Desta forma o consumidor dificilmente irá se desfazer desta peça, ergonomicamente moldada para si, normalmente produzida com tecidos nobres, especiais, escolhidos especialmente para determinada ocasião e gosto pessoal.

Assim, desde o início da produção, onde se consome somente o necessário pra produzir uma peça, gerando pouco resíduo e diminuindo as chances de descarte da peça pronta pela sua exclusividade, qualidade e valor agregado, diminui consideravelmente o impacto ambiental.

Pense nisso!

por Vera Darde
Jornalista/Criadora de moda
51 92009461/ 51 996495755
Instagram: @veradadarde /@lasalidabrasil
Facebook: Vera Darde/ La Salida
Site: lasalida.com.br